O campeonato português e seu desequilíbrio

o campeonato portugues e seu desequilibrioEm uma temporada em que os torcedores do futebol europeu vêm percebendo que tem um grande desequilíbrio na ponta, com várias ligas já quase decididas com várias semanas até o final dos campeonatos, a grande exceção vem de Portugal. No “país irmão”, os 4 primeiros classificados, na 27.ª rodada (faltando 7 para o final), estavam separados por apenas 9 pontos, com os 3 primeiros tendo apenas 5 pontos entre eles. Alta emoção, certo?

Verdade – mas isso parece que vem com um custo. O 5.º classificado tinha uma distância incrível de 21 pontos para o 4.º, fechando já matematicamente a luta pelo acesso às competições europeias. Mais: o 5.º tinha uma distância de 22 pontos para o 18. E último colocado da tabela. Se isso fosse uma prova de ciclismo, você veria um pelotão bem juntinho e depois quatro ciclista bem longe lá frente.

Más performances na Liga dos Campeões

Você já deve ter notado que os times portugueses estão mais fracos na ChampionsLeague. Se apostou neles nessa temporada da Champions, através do NetBet Sport ou outra plataforma de apostas esportivas, notou que suas performances foram mais fracas do que nos vêm habituando. O Benfica levou 6 derrotas em 6 jogos na fase de grupos, um recorde negativo; o Porto tomou 5-0 no primeiro jogo das oitavas de final do Liverpool; e o Sporting de Portugal foi “rebaixado” à Liga Europa.

Não será que isso está relacionado à pouca competitividade do campeonato?

O que estará acontecendo com o futebol português e europeu?

Nos últimos anos tem vindo muita conversa de criação de uma Superliga Europeia, juntando os maiores clubes do continente em um campeonato próprio, deixando para segundo plano as ligas nacionais. Um modelo mais próximo da MLS americana. Na prática, isso significa que os clubes mais ricos estão crescendo cada vez mais e os médios e pequenos estão vendo sua independência cada vez mais reduzida.

O caso português é especialmente grave. Numpaís tão pequeno, as atenções dos torcedores se concentram em apenas 3 clubes, que seguem na frente do campeonato (é um milagre de gestão que o Sporting de Braga, o tal 4.º colocado, esteja conseguindo acompanhar esse ritmo.) Esses três clubes venceram todas as edições da liga portuguesa desde sua criação na década de 1930, com exceção de duas. Em Portugal, já todo o mundo assume que todo o torcedor está ligado a um desses três clubes, mesmo que possa ter simpatia por um outro.

Tudo isso tem consequências na distribuição de receitas, renda, etc., em um processo que vem se prolongando há décadas. Em vários países da Europa (com a notável exceção da Inglaterra) está acontecendo o mesmo. Por exemplo, em Espanha você já nem imagina que “La Liga” possa ser vencida por outro clube além de Barcelona, Real e – com sorte – Atlético.

Não será que o futebol europeu vai virar uma MLS só com os super-grandes, deixando os pequenos no ralo da história?